Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MOLDURA VAZIA - Homenagem às mães

MOLDURA VAZIA
J.B.Xavier

Você, que me lê agora,
Perdoe as saudades e lembranças de um pobre viandante,
Extenuado de forças, já quase ao fim de sua jornada.

Um viandante
Que tem andado pela longa estrada da vida,
Muitas vezes caminhando sem rumo,
Outras vezes, indo depressa demais.

Um viajeiro
Que muitas vezes desejou mais do que concedeu,
Foi amado mais do que amou,
E outras tantas
Sorriu candidamente para o sorriso das crianças.

Um viajante
Que foi moldado nas mais duras forjas da vida,
E que, mesmo tentado,
Nunca se desviou de seus princípios,
Porque, ao final, seus princípios
São tudo o que ele tem.

Um viajante
Que, nas mais negras horas de solidão
Voltava a olhar a bússola dos conselhos
Que ouviu na infância.

São fracas as imagens,
Mas ainda baila na memória cansada,
Um menininho sentado na cama,
Ouvindo enlevado as orações que lhe eram ditadas,
As orientações
Que lhe eram cuidadosamente incutidas
Para que seu uso fosse lembrado pelo resto da vida.

Ainda estão frescas
As lembranças do café da manhã
Na mesa carinhosamente posta, aguardando,
Quando ele, sonolentamente, ia para a escola...
Hoje, ele ainda sente os cheiros das deliciosas comidas,
E o burburinho dos jantares familiares
Ainda soa em seus ouvidos.

Esse menininho custa a acreditar que os anos foram se amontoando
Sobre uma felicidade fugaz,
E, lentamente,
diluindo as imagens de uma infância feliz...

Mas, quando ele interrompe sua jornada, como agora,
Para tomar notas sobre seu percurso,
É inevitável que seus pensamentos deslizem
Para os verdes anos de sua juventude alvissareira,
Quando seu norte
Foi pouco a pouco sendo definido
E orientado para a retidão,
Para a honestidade e para o amor.

Ainda hoje em seus ouvidos cândidas palavras gorjeiam
Como suaves cânticos de pássaros,
E o hálito perfumado de um beijo de boa noite,
Ainda bafeja seu rosto
Com as asas diáfanas de uma linda borboleta.
E, com os conselhos do fim do dia,
As orações onde ele pedia amor para todas as criancinhas,
E no doce beijo de boa noite,
Ele dormia o sono dos anjos,
Sabendo que um amor maior que todos,
Velava por seu sono.

Você, que me lê agora,
Perdoe, portando, este viajante cansado.
E a lágrima teimosa que insiste em ganhar a liberdade,
E que, por ardente que seja,
Ainda fica muito distante
De todas as que ele terá que verter
Para suportar a ausência querida,
E por ter tentado traçar nestas linhas,
Ainda que toscamente,
O retrato de sua própria mãe....

* * *
JB Xavier
Enviado por JB Xavier em 12/05/2006
Código do texto: T154721
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
JB Xavier
São Paulo - São Paulo - Brasil
1049 textos (179052 leituras)
50 áudios (18290 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:17)
JB Xavier

Site do Escritor