Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Terra-Basta

De onde vim é terra basta,
chão batido de poeira
e pedras de arrastar.
De onde eu vim,
não é o fim do mundo,
mas também não
é
o início dele.

De onde eu vim
tem uma pracinha colorida,
um presépio permanente,
ladainhas e procissões de hora
em hora.

Tem pipoqueiro fausto de
sal e algodão doce
que implicam à guloseima das
crianças.
Tem uma pracinha bem aconchegante;
bancos envernizados,
plantio avulso de árvores e flores
dispersas ao longos de vários
canteiros.

Bem cuidados.Se diga.
De onde eu vim, há
muito tempo,
tempo demais,
não resistiu a aragem dos homens
e sucumbiu arredia ao novo era.
 
Tinha até orvalho carinhoso e, no verão,
um sol de vermelhidão. Tinha
meninos de rua, homens de negócios,
charretes flácidas e mulheres de toda
hora.
 
É, mais este tempo acabou.
Quando fui lá não existia mais nada
disso.

A muito custo encontrei seus restos.
Todos abandonaram a vila de príncipes e fadas,
longos castelos e sizudos reis, e se foram.
Não perguntei prá onde, pois
vi o cemitério abandonado cheio de
cruzes avulsas e todos parecendo
pedir nova vida.
 
Não, não tem mais não.
Minha terra acabou e com ela
seus probos cidadãos.
 
Os velhos morreram de solidão
e os mais novos foram roçar a
guerra de 1918.
 
E com meu tempo acabado
sem esperança de volta,
chorei um pouco perto
dos canteiros vazios e
sussurei: este tempo
já morreu e morri também
por saber que onde existia parte
de minha vida foi coida pelo tempo
e pela voracidade dos homens.
 
E como bom mendigo, arrastei
minha trouxa e fui procurar
outro lugar prá dormir.
Porque voltar mais, tempo
nesgo e inchado de lembrancas,
não volta mais não, meu senhor!
 
O tempo mata as coisas e sufoca
os homens.
 
De onde vim a terra era fértil
e os carrocéis não paravam de rodar.
Minha terra morreu ou
basta bem lembrar, fui
eu quem fui?

Mas dá no mesmo:
os dois estão mortos!

Se você não sabe se perder,
não procure tal caminho.
Se é fácil prá você achar.
também não vá por ele.
Os caminhos são, trilhas,
meia-faga do mato,
pêndulos de rasteiros
que se cruzam e confunde
o mais experiente
dono da vida.
 
Perder até que é repentino,
soa como canto indefinido,
como uma voz algoz que
ronda os trigais
e colide com sua vida,
como um bólide sem direção.
 
Se perder é fácil.
 
Encontrar o caminho de volta
é maais surrupiante,
danoso e crivo de
passionalidades
tão constantes
e quase verdadeiras.
E nesta foga-foga da vida,
saleve-se quem puder.
 
Pois quem é o homem hoje
Pode ser o alvo de
amanhã.

Ave! Nas coisas de
espírito, arredo o pé,
como mosca encurralada!
José Kappel
Enviado por José Kappel em 14/05/2006
Código do texto: T155792
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26780 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:02)
José Kappel