Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Beija e Meiga

A morte soma duas,
quando você mora
nos dois lados da vida,
e se sente igual a uma nódoa.

A verdade não é uma só:
tem dois archotes e um arco,
e suas chamas firulam no ar,
afastando o pó,
que cobre a mortalha.

Se descobri a verdade,
de vez eu digo:
é sufocante na cidade,
é sem cor nos campos de trigo,
é gélida no corpo sem vida.

E numa bela tarde de
uma estação sem luz,
fui levado ao meio do fogo,
sem alarde,
e lá me cantaram rima de
versos de partida:
quem morre deixa você,
quem morre vai viver
numa estrela,
num casulo de paz


Você, fica de pranto,
e lhe outorgam a ordem
de cavaleiro do desencanto.

Porque chorar não mais adianta,
sofrer só adianta se seu canto
falar de amor e dizer, num cantinho:
deuses, deuses da luz!
porque dela me separaram?
e a levaram para o reino
da mortalha aquela
de meiga voz e profundo encanto ?

E, é por isso,
meus confrades,
que eu digo,
sem alarde:
a morte tem duas portas:
uma eu acabei de abrir,
outra, de verdade,
que ela acabou de fechar.

E, por tudo,por todo lado,
ela me faz chorar!
Choro de homem:
cáustico e bravo!

José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/05/2006
Código do texto: T156957
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26782 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:37)
José Kappel