Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Terra Torta

Carregado de esperanças,
vivo a terra torta.

Duas cabeças prá cá,
meia prá lá.

Chamam isso de eternidade,
e, eu, posto guerreiro,
me enlaço em lata,
e vou de dor em dor,
em surdina,
suado, meigo-atroz,
entender lá essa
tal de eternidade !

Mas, isso, foi um dia
Não foi toda essa eternidade.

E disseram para me aquietar...
- a eternidade é passageira!

Iguais são seus cabelos escorrridos
que brandem de solidão ao vento empaledecido,
Como são os lírios que pedem luz
e seus lábios arraigados de melaço,
pedem sol.


Que haja silêncio,
mesmo em tal eternidade!

Dizem, chama lá o homem
do trem,
o carteiro de boas-notícias!

Tudo agora preso às costas
em amarrilhas coloridas
de duas luzes
nesta eternidade de dois costados.

Onde, uma me leva para mais longe
e outra me tráz mais junto.

De dualidade é vida
Lá é eternidade nas estrelas,
Mas é vida mal-passada,
varrida pela ágil pajem !

E tenho só duas.
Prá que vender
a outra?

Como faz o sol de outono,
que me virá dizer:

Oh! Bela eternidade
de duas angústias,
onde meu corpo foi pairar?
Antes, belo e cortejado,

E, em coro diziam:
Que belgro adocicado !

Se agora todos pisam nele?

E disfarçam a muita lama
em que dançam,
Em sussuros de
melaço de luz
e esquecimento!

Pisem...pisem
no burgo-mestre,
no homem de
duas eternidades!

José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/05/2006
Código do texto: T156962
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26779 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 13:51)
José Kappel