Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Mesa dos Esquecidos

Mesa dos Esquecidos
Vôo, mas não é meu plano,
corro os cerrados, avisto montanhas.
Depressa me defendo:
faço o vôo razante.

E faço por ela
e ela não diz por mim,
se meço sua distância
vejo pouco:
nado em alturas.

Sintonias de saudade:
não posso chegar lá,
e nem ao menos
conquistar algum pedaço
da terra povoada por ela,
ou a meia-parte do cerrado:
lascivo canto onde dorme sonolenta!

De tudo ela levou
De bravo: só um ficou !

A metade de seu rosto
deixou de ser espelho
de duas faces - guarnição
moderna dos sozinhos .

E no sereno do mar galeu,
atiçam ondas sem nome
lá na praia onde só abortam
os sinais dos mortos.

E tudo se apruma
sem o apoio de cedros do
passados.

E me fere,
e me augusta:
o pêndulo e o galope!

Se você segue,
não sigo mais.
Perdi e não tenho
ganho.

E se algum dia
me perguntarem
por tal flor,
digo eu lá:
ela veste a mais bela
mesa de renda e
purpurina !

José Kappel
Enviado por José Kappel em 16/05/2006
Código do texto: T156965
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26782 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 06:57)
José Kappel