Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Suplício da Borboleta


O silêncio
É a única voz
Que ouço agora.

Dizem que
O silêncio não dói.
Como não?
Nos deixa,
Moídos de dor.
Dilacerados,
Rasgados,
Pelos ventos
De ontem.

E o ontem,
Ainda não terminou.

O ontem será eterno
Tem asas, voa,
Para sempre
À frente ficar.

Para cada dia lembrar,
Quem você é de verdade.
 
Uma coisa vazia,
Sem valor.
Um farrapo,
Um trapo,
Sem esplendor.

Existe maior suplício do que esse?
Contemplar a própria miséria?
Descobrir tua culpa, teu fardo
Só por ser alguém?
Existir?
 
É este o castigo,
Merecido castigo:
 
Passar o resto dos dias
Como uma borboleta
Nascida torta,
De asas quebradas.

Uma borboleta,
Que devia encantar
E embelezar,
Àqueles que
Nela tocassem.

No entanto assim,
Nascida torta,
Quem a toca
Se enche
De tristeza,
De dor.

E por isso,
Só lhe resta
Pelo chão ficar
Pelos poucos dias
Que lhe ficaram.

Para seu eterno
E dolorido,
Muito dolorido
Suplício,
Carregar.
Maria
Enviado por Maria em 16/05/2006
Reeditado em 19/10/2006
Código do texto: T157020
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
4549 textos (185895 leituras)
1 e-livros (103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 16:01)
Maria

Site do Escritor