Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Dia de Maria

O sol nasceu
Como todos os dias.
Mas esse dia
Foi diferente.

Era prá ser
Um dia normal
Mas não foi,
Foi sim,
De todo especial
Um dia sem igual.
 
Em sua essência
Era um dia qualquer,
Mas foi diferente,
Diferente demais.
 
E também eu,
Não fui igual
Fui diferente
Não fui normal.
 
Podia ser Maria qualquer
Mas já não era mais Maria
Não era Maria igual
Nem era Maria normal.
 
Nesse dia
De todo especial
Algo aconteceu
Que mudou o dia.
Poderia-se dizer,
Que a noite virou dia,
E o dia por sua vez,
Virou noite.
 
Vi a lua da noite
Sobre as nuvens do dia.
E vi sim, o sol
Iluminado na noite.
 
O dia virou do avesso
Dentro de mim.
Já não sabia mais
O caminho de andar.
Já não sabia mais
O caminho de mim.
 
E se me perguntam
Onde vai dar essa estrada?
Vou dizer: Não sei, não sei.
 
Sei que fica
Entre a terra e o céu,
E sei que guarda
As surpresas do dia.
Inesperadas surpresas
Que fazem
O coração
Bater descompassado
E a  alma ficar perdida,
Vagando, vagando,
Por entre luzes
Nas nuvens,
No céu.

Mas também
Navegam nas águas,
De sombras,
E entre perguntas
Que nunca acham,
Suas respostas.
 
Era prá ser
Um dia normal
Mas foi diferente
E digo de frente,
Um dia sem igual.
 
Não sei explicar
Do porque.
Nem dizer
O que vai ser.
 
Mas sei,
Não quero sofrer
Nunca mais
Nunca mais,
O sofrimento,
É doído demais.
 
Nem quero,
Fazer sofrer.
E isso é,
O que mais
Me atormenta.
Fazer sofrer,
A gente sempre faz
E esse sofrimento também,
É doido demais.
 
E se perguntam
E agora por onde vai?
Eu digo: Não sei, não sei,
 
Tenho medo de andar
De dar mais um passo,
E ferir, o que já está ferido.
 
Já não sei mais falar
Até isso pode machucar.
 
Esse dia era
Prá ser bem normal,
Mas trouxe perguntas
Que pedem respostas.
Mas essas não sei, não sei,
Não me pergunte mais.
Pois não sei, não sei.
 
Mas sei, bem sei. E isso sei.
As estradas do meu caminhar
Já estão traçadas
Prontas prá mim.
E essas trilhas
Onde levam eu sei,
Por elas já andei,
E delas sei,
Bem sei.
 
Egoísmo nelas andar?
Não sei, não sei.
Mas sou assim
E se assim sou
Não posso mudar.
 
Dá prá entender?
Compreender?
Perdoar?
 
Vou nelas ficar
E espero ali,
A paz encontrar.
 
Hoje era prá ser
Um dia normal.
Mas foi diferente
De todo especial.
 
E sei, eu sei,
Que prá mim,
O dia de Maria,
Nunca mais,
Nunca mais,
Será igual.
Maria
Enviado por Maria em 16/05/2006
Código do texto: T157027
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
4549 textos (185895 leituras)
1 e-livros (103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:20)
Maria

Site do Escritor