Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O triste fim do poeta brasileiro

Ó tempos de glorias passadas
Onde amar era belo e o amor verdadeiro
Ó tempos que não os vivi
Efêmeras noites, ébrios brasileiros

Provindos de Byron, se fazem boêmios
E ebrirridentes preterem o destino
Morrer era nobre quando por amor
E o amar do boêmio é o amor do menino

Ó bravo poeta que hoje inda teima
A expor seus versos ao ínfimo brilho
Não sê mais boêmio não morra de amores!
Pois hoje vivemos em dias de idílio

Se a tuberculose era o cabo da vida
Em tempos passados de uma sã loucura
Se já não aflige o tal mal do século
Em novas feridas a enfermidade perdura

Se antes a morte era a glória maior
E sobreviver era a praga do homem
Suplico-te agora, ó deus dos modernos
Que mate o poeta, mas nunca de fome!

Se antes os loucos! eram abastados
E hoje os heróis! De poemas não vivem
Melhor ser um louco de um velho passado
Que ser um herói e viver de fuligem

Até mesmo a morte de tino tão nobre
Mudou de instrumento pra matar o homem
Se já não existe mais vida boêmia
O mal deste século amigo! É a fome.
 
Wagner de Souza
Enviado por Wagner de Souza em 17/05/2006
Código do texto: T157744
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wagner de Souza
Piracanjuba - Goiás - Brasil, 32 anos
20 textos (1396 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:03)
Wagner de Souza