Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O amor segundo a porta.

O amor - fúlgura eletrostática
 que
fulmina a minha face mórbida que grita
a voz que costuma calar incessantemente dentro de mim
 A imagem
a música o
tato que derrota-me violentamente o
ego o
orgulho e a
palavra
que descansa
atrás de tua própria sombra.

A vontade de se dizer a palavra divina
à graça em que se faz de existir
em fato]

O amor é fato.
Misericordioso de tão grande. Talvez ridículo por nos ser concebido. Doí, ou é
um susto por ser uma sensação insana que acarreta-se quando se lê e recorda-se de pequenos bilhetes deixados à mesa como se fossem leite e
pão.

O amor domina completamente o meu ser
no momento em que tomo o devido
susto inicial, a
empática surpresa de vê-la,
mesmo que de longe,  mesmo que aproximando-se de mim, mesmo que aproximando-se de mim aos poquinhos, numa
ânsia, numa ária que vai crescendo aos poquinhos as relativas maiores menores diminutas moduladas, ou até a meio palmo de distância de segundo a este ser amado.

O amor amedronta
também por ter a mania de comer as coisas. Põe medo por ser maior que nós e a
terra onde pisamos] e também por não vermos,
assim como não se vê nem a um átomo ou a Deus ou
um verme. Está além do azulejo o qual piso com meus olhos agora, ou até da metáfora,
que finjo ser

perto do amor.
Perto de amor,
 talvez não exista eu. Mas devo existir, pois sou ser a ser
 amado e a amar àcima, como todas as outras coisas existentes que são - sou ser
a ser
 amado
e a amar àcima de todas as outras coisas que são e que consistem em natureza -  e amar, sim,
amar mais, bem mais que temer  a este mundo moribundo de tantas dores
de tantas penas e provas á
frente...


Parangolérico Kaloré Kerexu
Enviado por Parangolérico Kaloré Kerexu em 19/05/2006
Código do texto: T158877
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Parangolérico Kaloré Kerexu
Salvador - Bahia - Brasil
11 textos (370 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:51)
Parangolérico Kaloré Kerexu