Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LEMBRANDO MÁRIO DE ANDRADE


Sozinho
Na Estação Rodoviária
Olho pros lados do Tietê
E me lembro
De Mário de Andrade.

Onde estará aquele rio
E onde estará você, Mario?
E a cidade de antes
Com seu solo e seu sentido?

Os homens levaram muitas coisas, Mario.
Mas águas do Tietê ainda estão aqui
E correm, ligeiras e limpas pelo corpo
Do poema.

Impossível navegá-las hoje
Pois elas misturaram-se a tudo:
Aos alicerces dos prédios,
Ao corpo das fábricas,
Ao derradeiro gesto dos suicidas
E às primeiras janelas
Que se abrem nas manhãs.

Mas para ver o que, Mario?
Ou viver de que?

Aqui e ali acorda a vida da cidade.
Erguem-se pessoas. Suspendem-se gestos.
Avançam carros e cachorros.
Um trem desperta os trilhos da paciência
E eu me recuso a guardar o silencio
E a esperança.
Eu quero mostrar que existe uma neblina
Fina que já não cobre o sonho do teu povo
A demagogia dos teus políticos,
O vôo dos teus pardais
E o amor devastado de tuas mulheres
E sábios e iletrados.

Mas de qualquer forma
também quero mostrar
Que a minha alma vive longe e nítida
À sua maneira.
Por isso vejo menos a multidão
Que se arrasta, muge, falsifica e esconde
Do que os amores que tive
E deram o sentido desta hora.


É noite Mário. E tudo é noite.
E noite na Itambé,
É noite no Iraque
E noite nas Marginais
É noite no meu coração devastado.

Em váo tento falar com os deuses
que povoaram a minha infäncia.
Eles desapareceram junto
com os cavalos, os barcos a vela.
e as praças veneráveis.

Não sobraram nem as locomotivas
nem os trilhos, nem os apitos dos trens.
Mas a tua voz está aqui, Mario,
nesse emaranhado de ruas
que a tua cidade não cansa de criar.(inventar)
Mas pra que tudo isso se os versos já não falam em partir
e nunca mais voltar?
Sejamos realistas, Mario:
os tempos mudaram e o teu velho rio
pródigo em peixes, é hoje um imenso saco de lixo
onde jogamos pneus, chinelos, camisinhas, merda
e cadaveres de passarinhos.

Um outro poeta disse que
passarão as cidades os homens
os edifícios de apartamentos os aviões os satélites
e as tuas águas --velho Tietê --
continuarão correndo correndo
e correndo, como sempre para o futuro.

Mas que futuro é esse que não rompe
com esse albergue de fantasmas?

É noite Mario. E tudo é noite.
É noite na Cristiano Viana
É noite na Lopes Chaves
É noite sobre os tinteiros
dos meus tempos de escola.

Rubens Jardim
Enviado por Rubens Jardim em 20/05/2006
Reeditado em 23/07/2008
Código do texto: T159319

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Rubens Jardim
São Paulo - São Paulo - Brasil, 70 anos
72 textos (22439 leituras)
2 áudios (555 audições)
14 e-livros (13894 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 04:34)
Rubens Jardim

Site do Escritor