Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EM NOME DA HONRA

Em Pearl Harbour matei um japonês.

Ele me pediu: Com espada.
Eu disse: Não tenho.
Ele: É desonra.
Eu: Não importa. A morte é uma honra.

Naquela tarde sonolenta e vermelha,
Ao longe algumas ovelhas
Esperavam o guardador de rebanhos.

Toda vez que penso nisso, é estranho,
Cai-me uma lágrima do olho,
Quase a mesma do japonês,
Que suava muito.

Estou sentado num café nos arredores de Paris.
O cheiro de mar, esse drink colorido e feliz,
essa angústia declaradamente sartreana,
Essas garotas que passam com suas motocicletas,
Tudo isso é, de longe, a espera que existe
Entre a morte do japonês e a minha.

Gostaria de viver sem dar trégua à essa ânsia,
Conversar um pouco com a criança que lutava contra monstros,
Recuperar a dose de fé que me levava adiante.

É tarde. Preciso ir embora.
Escreverei alguma coisa parecida com versos,
Cumprimentarei o Porteiro do Inferno,
Não há como dormir se sempre uma luz está acesa...
Sobre a mesa, com certeza, econtrarei alguns comprimidos,
Meus poemas em estilo nipônico, quase hai-kai,
manchas figurativas da existência.

Sou um homem alto, magro, flexível,
Rio muito pouco, fumo, bebo,
Durmo tarde, escuto clássicos alemães,
Estive na guerra e não morri.

Quem morreu foi o japonês.



Preto Moreno
Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 22/05/2006
Código do texto: T160853

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6783 textos (102550 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 16:57)