Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA PARA A TERRA E O MAR

Amada longe,
estou distante da tua terra
e com saudade de toda maresia.

Aqui, tão distante,
nem eu mesmo saberia
o quanto tua ausência falta me faria.

O cheiro desta terra sem raízes
fez com que, dos meus olhos turvos, céus caíssem
só para que eu reaprendesse abrigar guarda-sóis
como se, no dia da partida, a nuvem ausente
voltasse a chover por todos os distantes.

Aqui, tudo tem gosto de nada!
E, pela absoluta necessidade de estar de pé,
voltarei com um ares saudáveis de ter ido
comer um acarajé malfeito, frito no sul,
saudoso da Bahia cheirosa de amor.

Jamais esqueci de ti, enquanto perdido.
E, juro, fiz de tudo para ser-me lembrado!

Mas, o meu bairrismo, revelou-se presente
quando eu te provava sem o gosto do dendê.

Comia bolacha de água-e-sal todo o dia
com uma ausência doida da manteiga de garrafa.
Colocava o capote para o frio toda manhã
com vontade de ficar doente só para ter teu dengo.
Brincava bem pouco com frios amigos ralos,
louco para chamar teus olhos cúmplices para perto.
Dormia como quem não precisasse de amante,
doido que o telefone falasse tua voz para poder calar.

Amada longe,
agora tão perto,
as malas estão chegando.
Atesto, para todos os fins,
que parti para o distante
sem te ter desamado.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/05/2005
Código do texto: T16204
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19519 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:14)
Djalma Filho