Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O AUTO-FALANTE DA PRAÇA

Começo de tarde.
No interior da praça,
um coração disparado
à espera da namorada ouvida
apenas por um só bilhete,
julgou-se o centro de tudo.
Em sua volta, tudo acontece!

Há namorados na praça.
No interior dos casais,
corações acostumados
à espera da voz de Zé Veludo
dedicar em alto e bom som
as mal rabiscadas linhas.

A tarde seria curta.
Abelardo tocou Mariazinha
que falava qual os garranchos do bilhete.
Mariazinha acalmou Abelardo
tão afobado quanto seu olhar sem vírgulas.
E cravaram juras de amor na árvore,
testemunha marcada e sofredora
pela tatuagem de um canivete.
E morderam pipocas como nuvens
como quem salga a intimidade
do namoro de fim de tarde.


Seis da noite.
Nas casas, em volta da praça,
as invejosas, quase beatas,
desacostumaram os calos dos cotovelos
e abandonam as janelas de olhos espichados
para os namorados que cochilam
respeitosos como a tarde.
Mas, ainda acham imoral,
o toque das mãos nas mãos
enquanto os dedos se enroscam
de par em par, em casais.


Noite.
Contrariando a voz das ave-marias,
na praça, quase vazia,
Mariazinha, afogueada, sem palavras nas mãos
marcou e cumpriu o prometido.
Abelardo, carregado, de mochila cheia nas costas
carregou-a para o  desacostumado
mundo, sem a voz de Zé Veludo.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/05/2005
Código do texto: T16207
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19523 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:20)
Djalma Filho