Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESTAVA ESCRITO

Ontem,
uma mulher, das tantas amadas,
pediu-me para fechar o coração enquanto chorava
Escrevi meu último poema com tinta vermelha
e lacrei meu sangue
Avistei imagens perdidas e achadas:
O olhar morto do meu pai
disse-me, sem me olhar, que gastasse sentimento,
ao menos para ser verdadeiro
Engoli o choro para guardar a comoção
O olhar morto de meu pai
disse-me, sem me olhar, para ser menos avarento,
pelo menos nas lágrimas.

Amanhã,
a namorada, a única das amadas,
pedirá para escrever uma dedicatória ao coração
Soletrarei meu último poema em coma
e partirei no transplante
Anteverei o desespero das catástrofes:
O olhar morto da amada
disse-me, sem olhar, para que eu vivesse o momento,
ao menos por um só instante
O olhar morto da amada
disse-me, sem olhar, com dedos trêmulos
que a luz dos olhos é finita.

Ontem, fui poeta!
Não sei mais suar poesia
por mais que o morto esteja transpirando
por mais que a morte esteja escrita.

Ontem, fui poeta!
Hoje, não canto.
Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/05/2005
Código do texto: T16213
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19519 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:36)
Djalma Filho