Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O VISITANTE IMPREVISÍVEL

... o amor,
quando é amor,
chega como ondas.
O visitante imprevisível,
resfria os pés quentes
e cria vitrais na areia;
impossível não gozar espumas,
pois o amor,
quando é amor mesmo,
chega chuáchuado as luas
improváveis dos calendários,
a frieira nos dedos molhados
pela imobilidade das conchas,
a perda do rumo dos barcos
no pescado seco da rede.

... o amor,
quando é amor,
dá de chorar aos mares.
Esse visitante inesperado,
de peito nu pelo sal
dá de mamar aos peixes;
a tarde fria recolhe a tempestade,
pois amor,
quando é amor mesmo,
parte para morrer de filho
no aborto da maré vazante,
limita o meteoro da constelação
no pedido dos brilhos caídos,
e os afogados esgotados
nadam até a exaustão.

... e, por amor,
enquanto o amor sobreviver,
um corpo boiará vivo nas praias.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 10/05/2005
Código do texto: T16224
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19542 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/01/17 02:29)
Djalma Filho