Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0284 - Poeta sem nome


 
Meu destino tem o tamanho do meu prazer,
a força de mil trovões,
o carinho de milhares de mãos,
apenas em um único homem, o poeta.
 
Não tenho medo de sentir medo;
a morte trato-a no plural da minha vida,
levanto minha cabeça ao acordar,
todas as minhas metades são de amor.
 
Quero não mais respeitar uma certa solidão,
que não me ouça a noite, irmã da lua,
preciso me compensar dos tantos dias negros,
são poucas horas de luz para quem tanto ama.
 
Deixo meu carinho para algum outro solitário,
deixo todos os carinhos que um dia reservei,
deixo todos os amores que um dia tentei querer,
deixo meu corpo insano, assim poderei me amar.
 
Um dia lembrarão do poeta que não mais escreve,
seus gritos serão apenas desenhos nos papéis,
todas as letras tornaram a ser saudades, se um dia...
Se um dia lembrarem... Seu nome? Apenas poeta!
 
18/05/2005
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 11/05/2005
Código do texto: T16366
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116242 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:54)
Caio Lucas