Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Bastidores

Não. Não vou sentar à tua sombra para ouvir soluços
Quem muito chora nem sente a própria lágrima
Não percebe a mudez de um olhar obscuro
Nem desfaz o choro por não saber a hora

Há algo estranho no exagero em querer
Sonhos invadem, vivem, às vezes, mudam
Trocam de órbita, de ritmo, de postura
às vezes morrem ao nascer da aurora.

Não. A noite é escura e a Lua, cúmplice
Em cada estrela há um piscar dolente
Se me ativer a este rogo inútil
nem viro orvalho e nem madrugo

Então me escuta. Guarda este lamento
para a derradeira hora. A verdade galopeia
e muito. Reserva tuas águas para a imensa vaia.
Já que a platéia em surdina, goza.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 15/01/2005
Código do texto: T1660

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25318 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/09/16 08:50)
Dora Leal