Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Serenidade.

Qual voz que ergue em desespero,
Meu grito viaja por campos de sonho
A buscar a fantasia que veste nossa vida.
E de portas de armário colho as esperanças
Penduradas em desejos que surgem.

Sinto a doçura de manhãs ensolaradas
Adentrar a superfície calma da mente,
Onde reina a palavra escrita do seu corpo.
Beija a flor na cabeceira o beija-flor
E levanta-se a alma a cantar poesia.

De sons externos passa esse cansaço
Que em igual paixão encaixa amor.
Tudo enovela o cúmulo de sentir ferver
A música suave com que desperta
Minh’alma, faceira menina a brincar.

Beijos beijam meus lábios em dança
De bocas unidas ao céu que constroem
A inocente regra que rege o misturar
De nossos corpos na natureza a espera
Do que produzimos ao unir-nos.

Do cinza que pode ter surgido
O branco ilumina a esfera que nos envolve
Quando escorrega em minhas tranças
O sol de hoje a quem damos calor
No progredir de um dia amando-nos.
Eliane Alcântara
Enviado por Eliane Alcântara em 14/05/2005
Código do texto: T16919
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Eliane Alcântara
Lajinha - Minas Gerais - Brasil, 43 anos
177 textos (8649 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:32)
Eliane Alcântara