Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BALADA DO AMOR CONSTANTE

Sim, eu temo o amor constante.

Ele é morno,
[nem frio nem quente]
sem fogo pra queimar nem gelo para esfriar
como um ausente que passa
acostumadamente.

Eu temo o amor constante
mais que a indiferença do afastamento
ou que a ardência das paixões.

O amor constante
[como já disse]
é morno,
parece que não passa,
e, se passa,
nem o tempo agüenta!...

Há, então,
uma pressa irresistível
de desassossegar os relógios,
de bocejar a cada gesto de carinho,
de mijar na hora exata em que pinta tesão.


Sim, eu temo o amor constante.

Ele é calado,
[nem mudo nem gritado]
sem nada mais ter o que fazer por nada
como um incômodo consentindo
silenciosamente.

Eu temo o amor constante
mais que a falta dos amores cometidos
em nome da arte ou do perdão.

O amor constante
[como já disse]
é mudo
parece que não fala
e, se fala,
fica indiferente a tudo...

Há, então,
o silêncio burocrático e gestos lentos,
mas se um berro querer irrompe a paz da sala
é sinal que chegada é a hora da mamada:
um bebe chora desesperado.

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 05/06/2006
Código do texto: T170111
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 02:15)
Djalma Filho