Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A CIDADE DOS DEMÓNIOS SEM NOME

Vivem dentro de nós
Onde a luz não pode
Não consegue
Ou não deixamos penetrar
Vivem
Para nas boas horas
Tudo estragar

Todos temos uma terra comum
Onde mora o amor
E outra onde prolifera a tristeza
Há quem só viva nela
Sem qualquer tipo de pena
De si
Ou daqueles por si
Para lá arrastados
Gente que perdeu o sorriso
Que se sente algo não amado

Os anjos ali
São negros
E voam sobre as gentes
Como aves de rapina
Buscam as almas
Dos que deixaram de acreditar
E que vê nisso a sua sina

O sofrer é indizível
Pedra que acrescenta pedra
Da urbe impossível
Pelo que lá se vive
Pela ausência de crer
Nem Deus nem nada
A única crença ali é o sofrer

E por isso as palavras se esgotam
Num turbilhão de pesadelos
Quer-se substanciar o que a todos atormenta
É escusado
O inferno tem sinuosos caminhos
Fecundos na sua esterilidade sedenta
Os meus não possuem uma designação específica
Vivem na retaguarda que deixo por vezes desprevenida
Quando as coisas belas da vida estou a observar
Mas basta que me esqueça do sublime
Basta que não ame
Que não veja as estrelas
Que me esqueça de respirar
Que pela imensidão deixe de ter fome
Para a ela
Voltar
À

Cidade dos demónios sem nome

Poema protegido pelos Direitos do Autor
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 07/06/2006
Código do texto: T170859

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5077 textos (170354 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 09:50)
Miguel Patrício Gomes