Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Subversiva

Eu, numa redoma de vidro
Pairando sobre o abismo
Sob teu olhar ígneo
Dançando entre cactos e espinhos

Eu, uma lágrima incerta
Na dor de um parto
Um grito abafado
Pelos que não me deixam ser quem sou

Eu num mar consternado de sensações efêmeras
Afogando-me nas perdas
Lastimando as labaredas do teu sexo
Que só me queimam mais

Eu, silêncio abstrato preso nos teus lábios
Confluência insípida de rios salgados
Lágrimas, choro, soluços e desabafos
Defeitos mútuos na confraria do imperfeito

Eu fui o alvo errado por total abstração do punhal da solidão

Luyzla Garrido
Enviado por Luyzla Garrido em 07/06/2006
Reeditado em 07/06/2006
Código do texto: T171386
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luyzla Garrido
São Luís - Maranhão - Brasil, 30 anos
25 textos (1223 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:37)
Luyzla Garrido