Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Grinalda de Passar

fui furar
a fila
do amor,
e acabei
de copo
e chamego,
na praça
que fica
bem defronte
à gota de ira
que ela tem
de mim.

paciência,
não sou
de ferro!

já não tenho
mais idade
ou
portal.

mas dela
eu sabia:
é silaba
tônica
na minha
vogal.


conta uma história
sem véu,
parecida com a cor
do céu!

que eu outra
eu conto,
bem clarabóia.

fomos criados assim:
juntos prá cá,
remédio de sarar
prá lá.

fomos nós dois,
unguento de paz.

se um dói,
outro
cambaleia,
e se corrói.

é uma história
vasta
e colorida
mas não precisa
chorar tanto
não é tão
dolorida.

tem verso de amor,
prosa e canto,
flor de encanto,
que beira seus
lábios de acalanto.

nossa história
é igual a outra
qualquer:
muitos beijos
que fazem o homem
de glória!

mas não se
avexe por mim;
sou cavaleiro
de paz,
andor
da esperança.

minha história
é fácil,
coisa de criança,
baderna de zona,
se veste de rosa
e se chama maria.

tudo foi bom
e o bom durou
um tempão.

ela era
o início da
vida,
e eu a semente
pujante,de
verve
arrasante.

deveras, maria,
só precisou
de dois minutos
pra você achar
outro caminho
de calmaria.

eu, de gênio
nobre e vasto
nele me perdi
e, de ciúmes,
parece que
agora comemora
um milênio,
que você se foi.

foi pra lá
pra fazer
novo início
eu fiquei
com a porta
no rosto,
com tal
despedida,
vasta e
ilícita.

adeus dá maria,
com outro
véu
de grinalda,
na forma
de saudade.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 13/06/2006
Código do texto: T174569
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26785 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 10:11)
José Kappel