Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema 0293 - Eu e o mar

Subi o mar, varri ondas dentro de mim,
provei do sal que sobrou na boca,
fui tempestade, quando não, era porto,
sou o movimento das marés, como o coração.
 
Restam-me alguns pedaços de oceanos,
deslizando sobre imensas quantidades de água,
sou sangue que flui entre uma e outra paixão,
a solidão talvez não seja naufrágio, o amor é alma.
 
Sou indiferente ao tamanho das pessoas,
suponho ser alguém que sabe nadar,
dou braçadas fortes quando em perigo,
abraço o corpo que amo, quando amo.
 
Fito o sol queimando olhos descrentes,
rodeio-me de lua para sonhar,
reparto fantasias, oferto iscas de carinho,
até que a maré nos enrola como amantes.
 
Amar não cansa, amor não se faz,
junto a uma súbita mudança dos corpos,
vem com a brisa que a paixão traz,
o céu fica morno, enquanto que nos corpos, inferno.
 
22/05/2005
Caio Lucas
Enviado por Caio Lucas em 17/05/2005
Código do texto: T17490
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Caio Lucas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 68 anos
4429 textos (116243 leituras)
1 e-livros (166 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:40)
Caio Lucas