Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A POESIA NÃO GOSTA DE PATRULHA

"POETAS SAIM DE SUA TOCAS,/ ABRAM SUAS JANELAS, ABRAM SUAS PORTAS,/ CHEGA DE VIVER SOCADOS EM SEUS MUNDOS ESTANQUES./ DESÇAM DAÍ, DESÇAM DO DO ALTO.../ TODOS VOCÊS, POETAS DAS CIDADES/ EXPOSTOS EM MUSEUS, EU INCLUSIVE/ TODOS VOCÊS, POETAS PARA POETAS LER/ ESCREVENDO POESIA SOBRE POESIA.../ TODOS VOCÊS, POLICIAIS DA POESIA.../ PIGARREIEM E ELEVEM A VOZ/ A POESIA ESTÁ MORTA, VIVA A POESIA.../ ONDE ESTÃO OS FILHOS SELVAGENS DE WALT WHITMAN?" (Lawrence Ferlinghetti, de Manifesto Populista, parte)

.............

A poesia pura inexiste
Tudo é mistura
A literatura não tem dono
Cada um rima como pode e quer
Em seu canto no recanto
Onde der e puder
A poesia pode ser tosca
De pé quebrada
Analfabeta e de muleta
A poesia não se toca
Ela faz o que quiser
Vai com um qualquer
Não respeita panela
Não está nem aí pros grandes nomes
Cada um faz sua rima
Faz sua esgrima
Luta como puder
Com o a palavra que quiser
Com o que lhe der na telha
A poesia atira pra todo lado
Ela é velha e menina
Ela recita-se
cita e refere-se
Fere-se
Ela cutuca cânone com vara curta
Vai à Roma
Fala de Ulisses
Ela mistura Jesus com Lampião
Faz do poema absurdo
E pode até ser chata
Só não é muda
Só não aceita patrulha
Ela ouve tudo. Regurgita
E vomita na sala
Indigesta só não é qualquer tralha
Pois autônoma
Não se aceita submissa
Não se vê sob arreios
Ou chicoteada na praça
A poesia não-dita
A Poesia maldita
A Poesia bendita
A Poesia grita
Desdita o poder
A poesia é produto barato
Mas me é cara e precisa
Não se venda na praça
Não persegue. Não retalia
É uma regalia, um impulso
Pode vir como soluço
Mas pode ser bem talhada
Erudita bem citada
A poesia é tudo isso e muito mais
Pode ser arrancada da garganta
Ela é querida e odiada
Só não gosta de ser difamada
Carimbada
Execrada
A poesia defende-se
À frente do poeta vira fera
A poesia é assim feroz e franzina
Não se toca
Desatina/ desfia e desatina como agora

 
 

Célio Pires de Araujo
Enviado por Célio Pires de Araujo em 14/06/2006
Reeditado em 15/06/2006
Código do texto: T175346

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Célio Pires de Araujo). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Célio Pires de Araujo
São Paulo - São Paulo - Brasil
1075 textos (32936 leituras)
2 e-livros (236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 18:38)