Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Espadas Prateadas

Espadas prateadas.
E como
podem ferir

Cortar a alma
em pedacinhos,
machucar
até o mais
profundo do ser.
 
Alguém já disse
certa vez,
"que nem sempre
a maior dor,
é aquela que
sentimos em
nosso exterior.
Mas aquela
que quando
falam,
profundamente
nos ferem".

As vezes
queremos
dizer algo,
algo que
sentimos
ou pensamos,
e não sabemos
como fazê-lo.

Então, sem perceber
com nossas
palavras torpes
nos transformamos em
espadas prateadas.

Espadas prateadas
que cortam
sulcos profundos,
ferem
para sempre,
e causam
feridas de dor
e sofrimento.

Feridas de dor
e sofrimento,
que se refletem
em nós mesmos,
em nosso interior
em nosso
próprio
coração.

E não há
nada a fazer.

Deixar o tempo
curar as feridas?
 
Arrancar
definitivamente
de nossa vida
as espadas
que nos ferem?

São perguntas
que me faço
que sei, talvez
não tem respostas.
 
Nunca quem
foi ferido
vai dizer.

Por isso
me retiro,
recolho-me.
 
Não sem choro.
Não sem
dor lacinante.

Para refletir.
E nunca mais,
Mas nunca mais,
Alguém ferir!
Maria
Enviado por Maria em 15/06/2006
Reeditado em 05/06/2011
Código do texto: T175679
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
4549 textos (185891 leituras)
1 e-livros (103 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:45)
Maria

Site do Escritor