Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NANÃ, O MEU CENTRO

Que dias doidos são esses
dias que não me esqueço,
sem ver, me viro do avesso
a procurar o que não sei.
Que dias doidos são tais
que como não sei que mais
tiram-me o sono e o centro,
e no escuro, lá dentro,
fico sempre a perscrutar.
Que dias doidos assim
tão demorados, sem fim,
que passam tão devagar
feitos de nuvens, sem luar.
São dias negros que surgem,
o coração em ferrugem
que segue-me a corroer
amor, paixão, bem querer,
sobra apenas rabugem.
Dias pétreios, cinzentos,
nublados e bolorentos,
em que tudo parece afundar.
Mas qual o quê, não há dia,
negro, cinza, sem fim,
bolorento ou ruim
que possa me derrubar.
Dia nenhum põe abaixo,
nada, em cima ou em baixo,
a voz de dentro a cantar.
Agora sei que lá dentro,
no fundo, bem lá no centro,
vive alguém a sustentar
um bem estar, alegria
que venha noite ou dia,
tristeza grande, agonia,
nada a pode calar.
Alguém bem grande e eterna,
peito aberto e alma terna,.
alguém maior do que eu,
que embora me viva lá dentro,
em noite de lua ou no breu,
guarda bem no meu centro
todo o poder que é só meu.
De levantar depois da queda,
de sorrindo ressurgir,
depois que a lágrima cair,
de guardar a tempo a pedra
já nas mãos para ferir.
De ser capaz de conhecer
dentro do peito a saudade,
a dor, a felicidade,
de uma e todas de verdade,
sofrer junto, compadecer,
padecer sem perecer,
sorrir, voltar a viver,
vida após vida a cada morte.
Esta lá dentro é o suporte:
Nanã, sábia, mãe da noite,
colo de mãe, mulher forte,
que me diz, em um açoite:
Levanta-te e vai viver!

PS ; PEQUENO ESCLARECIMENTO SOBRE NANÃ : Sendo a mais antiga divindades das águas, ela representa a memória ancestral de nosso povo; é  a mãe antiga (Ìyá Agbà) por excelência. É a mãe dos orixás Iroko, Obaluayê e Oxumare, é respeitada como mãe de todos os outros orixás.
Nànà é o princípio, meio e o fim; o nascimento, a vida e a morte. Ela é a dona do Axé por ser o orixá que dá vida e a sobrevivência, a senhora dos Ibás que permite o nascimento dos deuses e dos homens
Débora Denadai
Enviado por Débora Denadai em 19/05/2005
Código do texto: T18001

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Débora Denadai
Caracas - Distrito Federal - Venezuela, 54 anos
722 textos (154036 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:31)
Débora Denadai

Site do Escritor