Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Balaloucas de Inverno

fui de pouco,
quase nada,
raspei de longe,
feito tal louco!

mas que mulher
é essa
que me perdoa,
e assina em
branco,
com fé,
meu desamor?

sou mór dos
sem feitos,
capataz de
ricos,
sou guerreiro,
mas me falta
a luta.

sento,
e me sinto imperfeito,
uma dobra de tempo,
sem nenhuma
explicação,
se lá não fosse o
vento dizer:
te levo,
te largo,
te trago
à bordo
da tenra canção!

tenha dó,
sou talismã
de pouca sorte,
mas me dê a
chanche
de um dia
morar
nos seus labios
e prover de
seu corpo
com chamas
de porte.

e faz,
meu mundo
seu espelho,
com arestas
de rosas
e perfumes.

você é de dona,
de maria,
de mulher,
chamada
com fé,
por toda roda,
de faz-solimões.

então,
faz de um homem só,
um gigante
de amado
à um córrego
sereno
de algum amor.

disfarça
e faz,
venho em paz!

pois você é balalouca,
firme e pomposa,
mas de verdade,
muhher bem louca
de amor honroso !



José Kappel
Enviado por José Kappel em 23/06/2006
Código do texto: T180690
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26780 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 20:15)
José Kappel