Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto ao poeta mancebo

Volve teus olhos, nas veredas murmurantes deste vale.
Que enche o seio do odor tristonho na nota breve,
Cante a solidão embalsamada e viva teu luto leve,
Depois na mesma solidão que cantas, purifique e cale.

Retarde a soltura do gemido na boca empoeirada
E guarde o canto febril nos cárceres sob as pedras,
Ilumine o enfermo peito com a vela que te regras,
Mas não cale eternamente o eco doce na estrada.

Conserve o trago último do cigarro que evaporou,
E entregue a veia interrompida ao negro manto,
Descanse a rouquidão que o céu da boca apavorou.

Velará a noite sobre o esquecido vale, e, no entanto,
Ao ver-se morto no vertiginoso silencio que se retirou,
Sente que nunca se ouve sequer o eco de teu canto.
Myrna RRP
Enviado por Myrna RRP em 23/06/2006
Código do texto: T181159
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Myrna RRP
São Paulo - São Paulo - Brasil, 31 anos
26 textos (677 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:10)
Myrna RRP