Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cálice de sexta-feira.

Estive nua maior parte do tempo
    que despi meu corpo feito ataque
    a dormir minhas crenças, vencidas,
    em algum rumo que não vi.
    Passei chorando o passivo sonho
    pois essa vida - é poeira- rastreia.

    Embebedei alguns ou algos
    na ventania de minhas tempestades
    no peitoril das saudades sem fé
    que não dizem mais da dona agonia.

    Ri mais que chorei de mim.
    Rachei o adeus, pari o desejo,
    quebrei o elo juramentado,
    virei pó...

    A solidão minha senhora pus porta a fora,
    caí em nós, sai de cena, morri.
    Ouvi tua voz, um hino.
    Caduquei.

    Ouvi tua voz...
    Ressurgi.
Eliane Alcântara
Enviado por Eliane Alcântara em 20/05/2005
Código do texto: T18251
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Eliane Alcântara
Lajinha - Minas Gerais - Brasil, 43 anos
177 textos (8649 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:52)
Eliane Alcântara