Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUE DIABOS !

Que paixão idiota
Essa pela estrela
viva na tv, rádio
revista
E na idílica ilha
do coração bobo

Quanto mais é tola
mais é profunda
Quanto mais inefável - mais
minha - só minha

QUE DIABOS
Ói! Uma barata
sobre meus sonhos
postos nas músicas, livros
e folhas
donas de poemas perdidos
sobre a estante
Onde repousam
meus amores
QUE DIABOS
Uma barata!
Cucaracha
que nem dança...

Espanta minha
inspirada letra
Entorta minha
" ignota, monada' palavra
Me invade ar
Me consome céu
Me envolve mar
Augusto! Pelos Anjos
saia daqui
Que não há ceu
em mim
E nem nojo em
minha paixão
Deveras haverá
nunca
se não - nada
de porco
em minha
poesia

Barata chata! Porca
feia, inconveniente

Bom!!!!
É minha mesmo
Esta loucura e perdida
noção
de encontro, reforma
e performance
de entrega
pelo bum bum
baticumbum
que existe memorável
em qualquer ato
força, contrato
que abriga aqui
Meu insensato?
co-ra-ção

Não havia
alegria suficiente
em Sócrates
Nem solidariedade
suficiente
em Cristo - Jesus
como a paixão palestina
de meu coração
menino
Pelas estrelas lindas
que não alcança
indefeso
qual livro de visitas

Não houve destruição
suficiente
em N.York City
quando de sua formação
Nem espetáculo
maior na queda
gemea
Quanto há naquela
maldita barata
Que causou
a minha confissão
palavra viva
palavra ação
meio e fim

Aquela que dava
a meus amores
e ao coração
bobo, perdido -
largado, batido
dentro de mim -
Sylvio Neto
Enviado por Sylvio Neto em 20/05/2005
Código do texto: T18293
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sylvio Neto
Belford Roxo - Rio de Janeiro - Brasil, 53 anos
73 textos (11982 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:35)
Sylvio Neto