Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Reis de Ninguém

Meu corpo pluma ao vento,
porém, sem desmentí-lo,
meu corpo afogueia no espaço
como se eu ave fosse de algum céu.

Meu corpo é debanda dos
à chegados,
para o banquete das horas;
para vestí-lo me coloco
de azul alado.

São os reis de ninguém
a procura de cetros
de palha!

Sou dono de outro dono,
sou dono de parte dela,
mas não sou rei nem príncipe,
que a banha de beijos.

Na terra de ninguém
onde flutuo,
dança também meu desespero,
- a valsa dolorosa
da agonia dos sozinhos !
José Kappel
Enviado por José Kappel em 29/06/2006
Código do texto: T184251
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26786 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:31)
José Kappel