Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Adubo de dores

“Talvez eu tenha morrido há tempos / e cravado fiquei nos muros de sonhos e de dor / talvez também / eu tenha esquecido / de procurar no teu coração / o sentido da frase quem sou” ( Carlos Edu)

******************************************

Tua alma dormia sob meus cuidados
Sem hora marcada
                  - Sem amanhecer!

E o dia agonizava enquanto apagavas
As sombras das flores do nosso jardim;
Não ouvia teus vagidos entre tranças
Tentando lapidar a vaga ignorância
que não imaginava o quanto me amavas.

Hoje descansas entre outras flores
De um outro jardim
                   - Adubo de dores!

Devaneio de amor da tua mocidade
A regar o limbo da tua alma;
E junto à sombra desta folhagem
Que aconchega triste a tua imagem
Vegeto na idade da minha saudade.

Se foste, para meu futuro não tê-la;
Deixando-me jardineiro
                   - Sonho solitário!

Vivo a regar o que a nós sonhavas;
E ante aos calos dessa nova vida
Já sinto vagas nas minhas feridas
Abrindo passagem a outras idas
E ainda vago no quanto me amavas.
Kal Angelus
Enviado por Kal Angelus em 01/07/2006
Reeditado em 01/07/2006
Código do texto: T185481
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kal Angelus
Teresina - Piauí - Brasil
322 textos (9131 leituras)
1 e-livros (4 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:13)
Kal Angelus