Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tontas de Cetim

Devo aos lentos minha vagareza.
Aos pobres minha honradez.
Dos pobres, minha continuidade,
minhas idas e voltas.
Sempre em torno de mim mesmo.
Sempre a procura do vago que me ronda.

Se acho, procuro, porque expande igual ouro;
se acho, tal ouro, tá camuflado de pó;
pó daqui, um pouco de lá: sempre pó.
Se acho, não quero mais.

Se vejo, vejo todas de cidras à mão,
já não sabem o que fazem
e mal eu, nem sei o que digo.

Se caminho, vou às estrepolias,
um balanço sem corda,
um laço de morrer,
uma corda de fazer sufocar.

Por isso, já não vou mais:
se abro a porta da cantina-jovem
vejo-as tontas de cetim.

Se me dou com elas.
É porque elas tem corda no pescoço
e anunciam de perto,
e minha morte quase certa.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 02/07/2006
Código do texto: T185996
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26783 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:36)
José Kappel