Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AS ERVAS DANÍFIRAS DO SONHO

                  As Ervas Danífiras do Sonho

Regadas a crepúsculos
e serenos nos terrenos da noite,
                sem açoite ou lâmina que lhes corte
                 o broto, deixando-nos meio roto
                   meio torto, meio broto, absorto
                crescem as ervas que aqui exponho
em dano, nas lápides do homem insano,
derivadas todas elas do sonho

                                         onde nascem crescem
                                 pairam e fenecem
                   arbitrariamente no signo
       sempre prontas para seu novo ciclo
       com seus espinhos e sua seiva
                fazendo selva fazendo névoa
                    fazendo trégua em meio a guerra                         jazem aqueles que te cercam
                             
com seu bateau ivre
finca pela usina de tédio
e no almejo de ser livre
usurpa meu intermédio

                                  neste assédio, neste clero
                   que propõe nero ao meu império    e não quero cortar, arrancar tua raiz               pelo que fiz, no meu palco sois atriz

embala a noite em pacote verdejante
espalha pelo tempo velocidade da luz
relâmpago que se esconde faiscante
frente a trópicos de anseio suor e pus

                                  jugular medonha e pulsante
                              antes que me acorde,      em trago da tua seiva errante,
         e um corte dos teus espinhos quentes
              para fervilhar os pesadelos decadentes
      e ousar encontrar deus em sua semente

vós ervas danífiras do sonho
sois safiras que conscientemente escondo
   em cárcere alucinógeno e medonho
e que espinho por espinho vou pondo
nas paredes de um descontrolado cérebro
que às margens da via Láctea torna-se ébrio

                                        e quanto mais cutuca
                             mais caduco, mais astuto
                 quanto mais figura, mais feitura
                 mais medo tenho da altura                   mais alto vou a pés mil                         para lançar-te em teu                             veneno cordialmente vil
Celso Godoi Neto
Enviado por Celso Godoi Neto em 03/07/2006
Código do texto: T186802

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Celso Godoi Neto). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Celso Godoi Neto
Porto União - Santa Catarina - Brasil
76 textos (3146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:32)
Celso Godoi Neto