Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Céu Sem Nome

Sou forma
e barro,
cumbuca aleijada
de abas tortas;
que, agora,
rosco e me esrosco,
na página dela.

Sou força
e desalento.

Paramento sem festa,
dúvida de qualquer sol,
dúbio de pensamentos !

Sou cor virada,sem tom,
que desabrocha no verão
sem flores,
sem qualquer espécie
de lado bom.

Sou amaciador de pássaros,
andador de ruas,
passageiro fugaz
de avenidas empoeiradas
de luzes sem  vassalos.

Sou forma
e desamparo,
roda de passar,
gente de ver,
gosto prá provar,
vítima ocasional
da vida que passa.

Sou forma e barro,
rosco e me enrosco,
na lembrança dela,
que dorme vestida
de morte em
algum lugar
do meu passado,
que se perdeu
no tempo
de minha vida
de lasco, perdida.

Hoje, na virada da vida,
procuro e não acho
coisas delas.

Partiu, sem sentido,
prá lugar nenhum,
lugar que nenhuma aliança
de amor alcança.

Hoje, desvario,
sei que ela foi
prá algum céu
sem nome,
e dorme tranqula
o sono da vida
ao lado dos mortos.

Mas, no fundo,
rosco que me enrosco,
sei que partiu,
prá terra do longe,
onde sonolentam os mortos
onde sonha minha vida.

E da vida,sei:
nunca mais vou
vê-la:
não tenho contratos
de sabedoria com
a paz dos santos.

Não sou alvenaria
dos espírito,
nem corda
truncada no pescoço
dos lordes.
José Kappel
Enviado por José Kappel em 12/07/2006
Código do texto: T192262
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
José Kappel
Nova Friburgo - Rio de Janeiro - Brasil
2147 textos (26784 leituras)
1 e-livros (125 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:40)
José Kappel