Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Principio Ativo

Espero que nunca mais pense nem diga
que está cansada quando estiver deprimida
Quero ver mais cor no seu sorriso
Esqueça tudo que é fosco e onde está o seu fosso
Enxergue mais força no viajar do seu próprio brilho
Siga seu caminho...
 
Não tenha medo de conversas
impressas na expressão do seu destino
Procure atalhos, esqueça os malfadados trilhos
Lembre que a vida continua
mesmo que queiram mudar, a muda
Quando sentir suas dores chore só por elas...

Não se preocupe com olhares propensos,
senão serão feridas que ficarão pelo sempre abertas
Esqueça imagens que só choram não sangram
Esmaeça seu juízo... Lembre que a vida é feita de frutos
dos podres dos pobres e também proibidos
Delete rumores... Dutos de abusos que equivocam teu ser
 
Lembre que veio pra vida com algum dom
Seja ferozmente a diretora da sua emoção
Mande na sua mente... Seja ávida feito serpente
Não se importe com suas contrariedades
Se forem exatas, terás sucesso nos rachados concretos
Ponha cor nesses lábios cheios de dor...

Aonde quer que chegue não peça se derem chance empeça
Estamos condenados a morrer no meio de algum meio
Recorde algumas vezes da sua infância
figure nelas então toda sua esperança, sem nunca esquecer
que é grande a sua própria importância
Procure seu mundo, faça sua festa mesmo que só...
                 
Faça tudo que seu coração de um dia espremido temeu
Lembre tudo que já fez por alguém sem avaliar quem
Pense que agora chegou a sua hora, mostre-se com graça
e toda a sofisticação conseguida na raça
Esqueça das suas desgraças, de infortúnios e tudo que mais haja
Só assim serás feliz até o fim de momentos infindáveis

Se sentir qualquer saudade, olhe as nuvens que passam
as que viajam por todo quadro de olhares, veja estrelas
No dia em que alguém que te causou comoção
esperar ou querer de você uma lágrima,
lembre de tudo que agora falo
Diga que o poço e o tempo se esgotaram...

Pessoas amargas quase nunca bebem água
Alimentam-se do ódio que cai da própria lágrima
Quando alguém sentir-se mal, não se sinta tal e qual
O pior será o sentir desse quem,
que nunca deu o merecido valor a quem de fato merecia
E agora ou algum dia sente ou sentirá pela falta

Haverá choro, tardio e irreparável
Certamente recordarão de você e você de mim
que gasto meus dias me preocupando com seu sorriso
E no calor tarde da falta da sua presença
lembrarão do seu tempero, da sua comida
Sentirão falta da sua voz meiga acostumada a gritos...

Aí brigarão pela sua lembrança
pelo seu tempero mesmo que sem sal
                   
Será tarde demais para sentirem falta da sua presença
Talvez escolham Deus como o próximo escravo
Seguirão vivendo perturbados
por serem apostas de opostos apostos
Serão escravos da terra que não araram, não amaram
nem se quer se preocuparam com quem a fez

Esqueça tudo isso, menos um quilo do que peço
Lembre do peso que circundou em suas costas

Quando sentir-se comovida
não chore muito menos sinta-se agredida,
                apenas ria e pense
                       ativamente sendo precisa...
Orlando Miranda
Enviado por Orlando Miranda em 13/07/2006
Reeditado em 15/07/2006
Código do texto: T192946
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Orlando Miranda
São Paulo - São Paulo - Brasil
58 textos (3303 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:53)
Orlando Miranda