Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dos vapores que falo

Sinto-me passível a deixar nos perdigotos
as falhas que abdico
E hoje, pego-me em vigília
Acordo em passos arredios,
Vou embora, como qualquer vapor da fala

Sinto que nas estranhas vestes de dormir
Há pesos de mil cadeados
Fecho a porta de sair,
o fosso de cair
E num solene tom de nunca mais
Escondo-me nas frestas dos tijolos
Caio, ajeito-me e deixo transpirar
O vapor do susto, evapora e some


E o que dizer do vapor da calma?
Foge do relento e procura a volta
Mexe na voz e adivinha
antes do relógio, a calma diz:
hora de dormir, de esfriar
Hora de acordar............................
...........................................
Acordei
Michell Niero
Enviado por Michell Niero em 13/07/2006
Reeditado em 13/07/2006
Código do texto: T193521
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Michell Niero
Osasco - São Paulo - Brasil, 31 anos
37 textos (3064 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:26)
Michell Niero