Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PALETÓ DE MADEIRA

Amada triste,
hoje aprendemos qual o tamanho exato da morte.
Ela,
involuntária e impalpável,
como uma trágica,
te entregou de bandeja todos os silêncios
e roubou de ti todas as perguntas,
ainda sem respostas.

Ela,
bem maior que a ausência imaginada num final de amor,
gargalhou em meio a uma multidão
de cadáveres empalhados
pela tragédia das cores findas
como uma pálida,
e, sem coragem de dar meia-volta ao dia,
te escondeu em meio aos astros,
uma estrela em um palheiro! .

Ela,
impregnada pelo cheiro de formol dos lotados cemitérios,
vaga qual um satélite em torno ao nosso corpo
como uma lua inerte perdida entre lençóis,
que se esquece o quanto éramos
carne e unha, unha e carne!

Amada triste,
hoje aprendemos qual o tamanho exato da morte.
Ela,
displicente e inconseqüente,
como uma mágica,
te entregou de bandeja todos os silêncios
e roubou de ti todos os porquês,
agora sem respostas. .

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 14/07/2006
Código do texto: T194269
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:40)
Djalma Filho