Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O TEMPO DA BOA IDÉIA

para completar cinqüenta e um anos de idade,
sem nenhuma precoce senilidade
ou síndrome do “já era”,
necessário é cuidar da sua própria vida
e despreocupar-se com o quintal do tempo alheio.

aos cinqüenta e um – de idade –
boas e más lembranças hão de sempre dar o que pensar
como no dito da vovó quando dizia:
“Galinha gorda será sempre a galinha do vizinho!”

para completar cinqüenta e um anos de idade,
com a pele qual  tinta de primeira demão
ou corpo aos suspiros,
necessário é fazer o mínimo de exercícios,
não dar a cara à plástica ou abusar do esforço físico.

aos cinqüenta e um – de idade –
bons e maus traços nas linhas do tempo escrita na face
estão na carta escrita das adegas:
“Nenhuma uva será definitivamente vinho ou passa!”

para completar cinqüenta e um anos de idade,
o branco não será a cor dos esquecidos
nem o negro a cor da solidão,
necessário se ter noção dos altos e baixos
sem o vai-e-vem das idas e vindas em pura imaturidade.

aos cinqüenta e um – de idade –
bons e maus passos já foram dados com unhas curvas
como contou-me um Vulcabrás colegial:
“Sapatos que dão calo aos pés ficarão acalcanhados!”

para completar cinqüenta e um anos de idade,
tem que abandonar todas as Iramaias
e sempre ir mais à Bahia,
para comer efó feito com folhas de taioba
muito leite de coco, azeite, dendê, feijão fradinho. Natural!

aos cinqüenta e um – de idade -
bons e maus regimes foram provados no sobe-e-desce
das ladeiras cheias do cantar de um povo a viver:
“Quanta beleza brasileira há no pé da Ladeira da Preguiça!”


para completar cinqüenta e um anos de idade,
muitas velas foram acesas para apagar
defuntos maus-olhados
com a mesma chama de quem nasce para soprar
caixas de fósforos em brasa que ainda teima em queimar.

aos cinqüenta e um – de idade –
boas e más notícias de noite servem de alento
aos sonhos quem até por sono peca:
“A trepada inesquecível, o pau-de-mijo, a amante agora amiga!”

para completar cinqüenta e um de idade,
esquecidos devem ficar os feriados
e todas as consultas ao doutor,
as fardas já aposentadas e as árvores sem raízes
serão mais importantes que os numerais em par descritos

aos cinqüenta e um – de idade –
os bons e os maus amores são tão verdadeiros
quanto um ano-novo com calendários de mulheres nuas:
“Nenhum encontro é encontro sem ter um passado bem marcado!”

para completar cinqüenta e um de idade,
preciso é ter dado rabos-de-arraia de capoeira no tempo,
garrinchar com dribles ousados
e viver muito mais, muito mais que antigamente,
sem se importar com um novo futuro, ser mais irresponsável

aos cinqüenta e um – de idade –
os bons e os maus vestiram-se até de fraque,
enquanto shorts e camisetas falavam do guarda-roupa:
“Abaixo as meias, os nós de gravata, os cintos! Moda de araque!”

para completar cinqüenta e um de idade,
desnecessário será apagar os numerais fingindo-se um e cinco,
não quero comer bolo fofo, beber vinho escondido
nem expor-me ao extremo do ridículo:
Uma cachacinha? Boa idéia!


Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 18/07/2006
Reeditado em 24/07/2006
Código do texto: T196938
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19521 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:20)
Djalma Filho