Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sei que amigo não é forte,
Pois sua fragilidade é que abre caminhos
Para aproximação

Amigo não é infalível
Pois seus erros fazem brotar
A necessidade da ajuda

O amigo não é perfeito
Pois o tornaria inatingível e,
A amizade algo dispensável

Assim são os verdadeiros amigos
Maravilham-se no que é comum
Provando das fraquezas e virtudes

Somos os irmãos concebidos
Nas entranhas da vida
Selecionados e escolhidos
Nos momentos especiais de nossa vida

Faço-te então, um pedido amigo,
Em forma de prece...
Sei que o abandono não nos ronda
Sei também que, ainda que seja nas lembranças,
Viverá comigo essa amizade
Até o último momento de nossas vidas...

Um dia haverá a eterna despedida
E próximo ao corpo sem vida
A lágrima da saudade repousará sem culpa...

Não haverá pedidos de desculpas
Estivemos presentes um na vida do outro
Ainda que por pouco tempo roubado
Neste turbilhão dessa nossa existência

A tristeza meu amigo
Ficará por conta da saudade antecipada
Sem substituição... 
Haverá a reserva afetiva
Que não comporta reposição

Assim meu amigo
Atenda este pedido
Entre tantos os que me atendeu...

Não parta antes de mim
Viver aqui sem esta amizade
Só cabe a gente grande suportar
E você sabe que, serei eternamente uma criança frágil,
Aguardando teus conselhos
Acatando tuas melhores escolhas
Pra melhor enfrentar a fúria da vida...

Ainda que esta fragilidade não seja
Absoluta e constante
Torno-me réu confesso
Pois os seus afagos e preocupação
Fazem parte para que minha vida se complete...

Não quero viver na escuridão
Tão somente uma amizade verdadeira
Nasce para a luz...
Enquanto que as outras são abortadas
Quase sem sentirem dor...

É contra a natureza
Amigos se separarem
Contudo, sei também
Que não nascemos juntos
Mas juntos fizemos nascer
O que de mais puro poderia existir

Então meu amigo,
Espere por mim, não parta sozinho
Sozinho não vai me deixar
Haverá o frio que o tempo não aquecerá
Deixará perguntas sem respostas
E no espaço tão somente a ti destinado
Neste vazio irei te procurar...

Perderei o eco dos meus risos
Que importância isto terá?
Sei que não mais sorrirei
E as minhas lágrimas perdidas se acharão
Na busca incessante de teu olhar

Não estará perdido eu sei,
Os céus te farão tua morada
Mas peço-te amigo
Espere por mim
Não quero contemplar as estrelas sozinho
Quero sim, juntar a minha luz com a sua,
E fazer com que o nosso brilho
Estenda-se ainda mais...
Com o mesmo brilho
Que vivemos a nossa amizade...


Aqui o meu carinho a amiga Viviane Silvestre, 
que deu sua participação para escrever esse poema...
ziza Silvestre
Enviado por ziza Silvestre em 19/07/2006
Reeditado em 19/07/2006
Código do texto: T197681

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ziza Silvestre
Ourinhos - São Paulo - Brasil, 53 anos
217 textos (14089 leituras)
1 e-livros (52 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:21)
ziza Silvestre