Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paródia do Sapo Humano

O sapo pererequeia no prado
Procura, procura, a noiva ou o fado
Se a noiva encontra no caminho
Segue formoso e tranqüilo o sapinho.

À revelia do desengano,
Toca o fado, comovente noite
Em coro bravo de fino açoite
O príncipe beijado, o humano.

Avista a alta copa da pitombeira
O príncipe sapinho com parati e gravata
No chilrear da cigarra na mata
Aventando uma escada, uma rabeira.

Visão grudenta o sapo tem
No capítulo, próximo a um fruto
Reza em pranto, sob peso do luto
A morte da sapa nos braços de outrem.

Que coisa linda é o humano sapo!
Fez da noiva o parati e o fado, o guapo.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 24/07/2006
Reeditado em 24/08/2006
Código do texto: T201047

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34092 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:06)
Cesar Poletto

Site do Escritor