Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

JANTAR À LUZ DE VELAS



A luz, em sua arquitetura,
Conserva a ternura quase esmaecida
Como se ousasse dizer à vida
Que o garfo está perto da carne
E a carne perto da boca
E a boca perto de ser comida.

A sombra, em sua anárquica fúria,
esconde o huno em gestos sublimes.
Talvez só um filme revelasse o que está preso
Entre promessa e crime
E entre o negativo e água
Boiasse, revelada, a força do vime.

Os dois, que à luz de vela buscam,
Tocam como esgrimistas a única pista
Que os levarão ao sabor da vida.

Os dois, perfeitos verbos de frases feitas,
Nem sabem do sol e o murmúrio da lua,
Sémens do mesmo pote, únicas receitas.

Como se num toque de especial mágica
O garçon se aproximasse e balbuciasse a fálica
Palavra que a todos cala
e até a quem consente:
A conta, absorta e atrevida,
Espera ser servida
No jantar como se fosse
Soberana e subserviente.





Preto Moreno
Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 26/07/2006
Código do texto: T202520

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6771 textos (102487 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 18:48)