Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEUS MEDO


Deus medo quando vi deu.
Snooker celeste, meia, oito, sete,
Soube pelo jornal que o homem ascendia do animal.
Rezei, orei, mijei, sarei, curvei
As omoplatas às platinadas asas,
Chagado e doendo vi o que vi,
Deus entrar adentro
E descobrir um coração cansado de feno e alfafa.
Retranscrevi a palavra nauta sem os pés no chão,
Construir o que rui é obra de possessão,
Amai-vos uns aos outros,
Trocai-vos uns pelos outros,
Matai-vos, uns, aos poucos,
Deixai sobreviver a hera que a tudo herda.
O cavalo, cansado de si e de tudo,
Abraçou seu cavaleiro e, a corda,
Tensa sobre o abismo,
Riu o riso dos que balançam,
Enervou-se e, serpente,
Abriu o ziper do peito e lá estava,
Desfeito, feito feito fundido,
O coração das estrelas que voam aos gritos.
As pombas, cansadas de e pela paz,
Incapazes de doar e voar,
Entraram, céleres, pela porta do casebre;
A luz, encostada à sebe, piscou,
A mão humana fechou-se em fúria
E Deus gritou - Absalão! Absalão!
Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 26/07/2006
Reeditado em 26/07/2006
Código do texto: T202527

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6765 textos (102454 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 09:52)