Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Compaixão

Garotos Pobres, sofridamente
Rezando em uma catedral!
Das chamas acendem, velas pra Santos,
O qual lhes é igual!

Bocas no trombone!
Santos pobres querem falar:
Você acendeu a minha vela,
E eu tornei a soprar.

Era chuva no peito
Como premonição de morte;
Crianças sem respeito,
Destinos lançados a sorte.


A roda que é a vida
De uma pobreza a qual lhe é destino,
Sem um leito noite ou dia,
Seu surtido caminho.

E a criança diz:
-Compre um de meus chocolates,
Para ajudar minha mãe meretriz,
Que hoje doente se recolheu;

Sem se esquecer da chuva,
Esqueceu que existo eu...
Esqueceu que o dia acaba,
Na noite passada se vendeu...

E como se não bastasse,
Fez algo que mais me doeu;
Como ela estava doente,
Quem foi vendido, fui eu!

Sentido por tanta angústia
Para um santo eu rezei;
Mas  vi que com minhas lágrimas.
Sem querer sua vela apaguei.

Dizem:-"Aquele Santo ajuda aos pobres";
E em minha pobreza me revelei,
Diante da imagem sagrada
Meu triste horror lhe contei.

Contei da violência,
Que me feriu sem razão;
Pois sei que sou fraco,
Vazio, perdido na multidão.

Hoje fui eu, apenas um,
Amanhã será meu irmão;
O dinheiro deu pros adornos,
Mas, não deu para o pão.

-Não sei se rezo pra Deus,
Esse fica parado,
Vendo minha situação.

Ou se clamo o Diabo,
O qual é peste, frio,
Sem coração.

Deus ficou espantado,
Triste, cansado,
Sem ação!

E o Diabo, não sei se existe...
Se existe, chorando rezou,
Mostrou emoção!!!


Bornny
1996
Bornnye
Enviado por Bornnye em 27/07/2006
Código do texto: T202814

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Bornnye
Guarulhos - São Paulo - Brasil
7 textos (95 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:55)
Bornnye