Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meus Anjos se Divertem

Perdigoto alienado fedendo a tufão
Peste subversiva, óleo de cachalote
Despedaçada rosa pelo imundo bastão
No passado velho de esquiva, papelote.

O candeeiro arde à sombra fria
Submerge alma na folha esguia
Não salta, nem umedece, desaquece
Ecoam desatinos apaziguados, em prece.

Buscam na lama acinzentada, o lobo
Encontram no fel da madrugada, o lodo
São impurezas trovejadas, Baco patife
Lançam-se vis, donde provêm o esquife.

Da fenda brota o óvulo envergonhado, esmaecido
Meus deuses, poetas em férias, riem de mim
Peço aos anjos de plantão, que dançam... Triste fim
O poder do pascigo na pena do amigo, esquecido.

Ó dia inusitado de orvalho vago!
Toxina botulínica no arcabouço do mago.
Cesar Poletto
Enviado por Cesar Poletto em 30/07/2006
Código do texto: T205185

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cesar Poletto
Piracicaba - São Paulo - Brasil
730 textos (34088 leituras)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:36)
Cesar Poletto

Site do Escritor