Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O COMEDOR DE ESTRELAS

Me perdoem as crianças, seus brinquedos,
Sombras e escuridão me encheram de medo,
Não fugi, não escapei, sou ode mortal,
Humana, grotesca, ocre animal.

Enquanto a fuligem entope seus narizes
Inventei um Darwin, produzi matrizes,
Esqueci, no Paraíso, o primeiro verso da canção,
Esgotei todas possibilidades do meu coração.

Me perdoem os astronautas mergulhados no céu,
Dízimos paradisíacos envoltos no celeste véu;
Todo supor está tão dentro que parece fora
Como um poema supõe ter antecipado a sua hora.

Enquanto o vasto e neutro campo produz metáforas,
Creio no jejum de palestras e em suas diásporas;
Por mais que me esqueça do que produzi,
Longe, bem longe, do que sei me arrependi.

Me perdoem os silêncios que gritam dentro da hora,
Do quanto não escuto a vasta sinfonia da aurora;
Troquei a viagem por permanecer no aqui,
Como transmutado e insensato colibri.

Enquanto o demiurgo e virgens vestais
Procuram o êxtase no caleidoscópio dos animais,
Eu, suposto ego e forma mental e traduzida,
Escancaro a poça cósmica como única comida.







Preto Moreno

Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 30/07/2006
Reeditado em 09/11/2007
Código do texto: T205620

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6771 textos (102491 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:11)