Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

RAÍZES

Numa noite
O vento
Feito um açoite sem tréguas
Trouxe grito de forças
Que queriam varrer a Terra
Como se fosse a minha casa
Uma ferida
E a cidade,
Uma chaga pestilenta
Plantada sobre a pele do Cerrado...

Houve o medo,
O medo ancestral,
O medo visceral,
Vindo aos olhos
E eu pude ver,
Nos claros das vidraças,
O mais remoto de mim,
Ainda um quase bicho,
Achando o nascedouro de tantos deuses,
De tantas dores, horrores e ais...

Quem dera tivesse visto,
O tenro ver da consciência recém desperta
Na matriz humana ainda grotesca,
Nos clarões dos seus medos,
A serena verdade
Do saber de si
E o porquê dos seus olhos ver...

Tivesse não criado pelos ais
Da sua infante consciência
Tantos deuses, trazidos até aqui,
Em busca do saber de si,
E não veríamos hoje
Tanto horror nos Sistemas,
E tantas leis e filosofias, feito redes,
Para capturarem o seu Deus preferido
E, em nome deles, mantendo tantos vivos
Presos à multidão de mortos para alimentar
O poder da política-divina com o sangue
De novos e inúteis mortos...

Tão mais fácil seria
Que, talvez, o vento
Não tivesse razão
De querer limpar um cantinho da Terra
Da presença pestilenta
Da consciência que ainda não acordou...
Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 01/08/2006
Código do texto: T207200

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 58 anos
246 textos (31038 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:06)
Chico Steffanello