Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUADRO DEVASTADOR

Que apreço dizes ter, se nem podes desfazer
o clã que desbota a dor e outra tez faz corar!
Fingir é sempre o afã de nada poder trazer
remando em águas revoltas em outro desarvorar.

Constantemente reprimes resignado querer,
desafiando comprimes convergente torpor...
ao reaparecer dolente, algemado pra morrer
e no canto da coruja um arrepio de pavor!

A escuridão recrudesce no latido dos cães;
na madrugada que aquece o lobisomem na noite,
sem contar com o esquadrão, debalde, em vão, matador.

A impunidade acolhe oligarquias vilãs,
o apreço não tem vez, e desce o véu em açoite,
na frigidez decompõe o quadro devastador!
Zecar
Enviado por Zecar em 30/05/2005
Reeditado em 24/06/2016
Código do texto: T20738
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Zecar
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
249 textos (20146 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 16:25)
Zecar