Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Miragem do tempo

“Mantendo um limiar / que é o limiar de proximidade até corpo / o limiar do mundo ou seu fim / seu fim mais literal, o limiar / o máximo que posso respirar / ou dar de mim, a ti, me doar / o máximo de mim...” (Alex de Andrade)

...........................................................

Ninguém conhece a dor
de esse meu antigo olhar,
refletido nos dorsos insanos
dos meus antigos danos.

Ao longe, reflito-me!

És a estátua da minha antiga dor
Vestida pelo avesso da poeira do tempo,
agasalhada no vento brando do esquecimento.

Ao teu lado, cogito-me!

És a esfinge marcada pelos derradeiros beijos:
marcas de meus sofridos desejos
na ânsia de mim, a ti, perpetuar-me...

À tua distância, repito-me!

Estátua e esfinge que afligem minha alma:
frieza de antigas e tenebrosas calmas
por não saber, na tua ausência, perdoar-me...

Hoje, apenas miro lembranças
de tristes olhares na miragem do tempo!!!

Ao meu lado, existo-me!
Kal Angelus
Enviado por Kal Angelus em 04/08/2006
Reeditado em 04/08/2006
Código do texto: T208956
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Kal Angelus
Teresina - Piauí - Brasil
322 textos (9131 leituras)
1 e-livros (4 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:43)
Kal Angelus