Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

LOBO DA ESTEPE



Na rua deserta de frio e vento uivante,
o homem triste fita o céu,
tentando encontrar nas estrelas
alento pra sua alma... Ungüento pra sua dor...
Logo desiste e segue a passos lentos
para a taberna de luz fosca e gente sombria...
Um brinde aos deserdados do mundo!
Aquece nos goles traçados ligeiro,
o seu coração solitário...
Uiva o desconsolo de um mundo infame,
de uma sociedade perversa,
tal qual um lobo da estepe,
enquanto a madrugada chega,
indiferente aos deserdados sem amanhã...
Vencido de tragos e cansaço,
trôpego, segue o seu calvário solitário
por bielas escuras...
Busca alcançar seu refúgio,
revirado de mofo e abandono,
Onde a velha cama,
amiga fiel de seu infortúnio,
embala seu sono agitado,
descansa sua dor sem fim...
 

Cosme Belizário
Enviado por Cosme Belizário em 04/08/2006
Reeditado em 04/08/2006
Código do texto: T209254
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cosme Belizário
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
98 textos (3390 leituras)
1 e-livros (83 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:26)